Um sargento reformado da Polícia Militar foi preso na última terça dia 11, na Paraíba, suspeito de matar a tiros uma travesti de 16 anos por "não gostar de homossexual".

 

O crime ocorreu em João Pessoa, capital do Estado.

 

Segundo o delegado Reinaldo Nóbrega, da Delegacia de Homicídios de João Pessoa, Antônio do Rêgo Sobrinho confessou o crime e disse que "veio ao mundo para acabar com homossexuais" – a declaração do policial foi dada ao programa "Cidade Alerta Paraíba", da TV Correio.

 

O sargento já respondia a uma ação por tentativa de homicídio contra uma travesti, ocorrida há dois anos. Na ocasião, feriu a vítima com golpes de garrafa. O caso ainda não foi julgado.

 

 

O CRIME

 

Anna Sophia, 16, foi morta numa praça de João Pessoa na noite do último sábado dia 08. Segundo relatos de testemunhas, Rêgo Sobrinho estava bebendo em um bar quando a avistou. Ele sacou a arma e disparou vários tiros contra a adolescente, que morava no mesmo bairro. Anna Sophia morreu ao chegar ao hospital.

 

O sargento fugiu da cidade, mas foi detido três dias depois, no município de Teixeira, a 320 km de João Pessoa. Ele foi encaminhado ao 1º Batalhão da Polícia Militar. A reportagem tentou entrar em contato com o advogado de Rêgo Sobrinho neste domingo dia 16, mas não obteve sucesso.

 

Amigos de Anna Sophia organizaram um ato em sua memória na praça onde ocorreu o crime, na noite deste sábado dia 15. Em cartazes e discursos, foram reproduzidas mensagens como "Não ao machismo e racismo", "Ser diferente é normal" e "Parem de nos matar". Na ocasião, foi lançada uma campanha para rebatizar o local com o nome de vítima. (Com Folhapress)