V8, biturbo, mais de 600 cv e tração nas quatro rodas: como anda o novo BMW M5?

0
60
V8, biturbo, mais de 600 cv e tração nas quatro rodas: como anda o novo BMW M5?

Talvez as fabricantes sejam como pessoas e precisem afirmar sempre sua individualidade. É por isto que a tendência entre muitas marcas hoje em dia é criar uma identidade visual característica e espalhá-la por toda a sua gama. A BMW, tradicionalmente, é uma que seguem com mais rigor esta linha .Por esta razão, há quem diga que o novo Série 5, apresentado em outubro de 2016, é um mini Série 7. Mas isto é só um detalhe implicante.

Os BMW que realmente importam aos entusiastas podem mesmo ser meio parecidos, mas em compensação a semelhança se estende ao comportamento dinâmico: excelente em todos. O BMW M2 é uma pequena maravilha, considerado por parte da imprensa como superior ao BMW M4 (e, por extensão, ao sedã M3). E o BMW Série 5 sempre foi referência entre os super sedãs alemães. O M5 nasceu para cruzar as autobahnen alemãs e virar tempos no circuito com a mesma desenvoltura. E isto era parte da razão para que ele sempre tivesse tração traseira… até agora.

V8, biturbo, mais de 600 cv e tração nas quatro rodas: como anda o novo BMW M5?

A geração G30 do Série 5 vai ganhar em breve sua versão de alto desempenho. E o novo M5 será lançado no fim do ano, provavelmente no Salão de Frankfurt. O visual sisudo das versões comuns deverá ganhar um pouco mais de agressividade, como é padrão nos modelos Motorsport, mas é a tração nas quatro rodas a novidade mais alarmante. Será mesmo?

Como dissemos ontem, a BMW já entregou o novo M5 nas mãos dos jornalistas da Europa e dos EUA, ainda em uma versão de pré-produção (porém bastante próximo da fase final de desenvolvimento), prática que vem se tornado comum entre as fabricantes. Se o impacto na hora de lançar o real deal é prejudicado, saberemos depois. Não vamos nos preocupar com isto agora, e sim em saber o que a imprensa internacional achou do novo BMW M5.

V8, biturbo, mais de 600 cv e tração nas quatro rodas: como anda o novo BMW M5?

Para começar, é preciso entender que a BMW já deixou de lado a fidelidade total à tração traseira há algum tempo: um sistema de tração nas quatro rodas, com acoplamentos viscosos nos diferenciais central e traseiro, já esteve disponível nos Série 3 e Série 5 na década de 1980; e em 2003 o SUV X3 de primeira geração foi o primeiro BMW a usar o sistema xDrive, que desde então passou a integrar a lista de opcionais do Série 1 ao Série 7, além dos utilitários X1, X3, X4 e X6.

É mais complicado aceitar um modelo M com tração nas quatro rodas, mas eles também existem – desde 2010, temos o X6M, por exemplo, com tração integral. E o próprio BMW Série 5 G30 tem sua versão de tração integral com assinatura Motorsport – o M550i xDrive, que tem um V8 biturbo de 460 cv e, até agora, é o Série 5 mais rápido da atualidade, sendo capaz de chegar aos 100 km/h em apenas 3,9 segundos.

V8, biturbo, mais de 600 cv e tração nas quatro rodas: como anda o novo BMW M5?

Era questão de tempo, na verdade, que a tração nas quatro rodas chegasse até o M5. Mercedes-AMG E63, Audi RS6 já a utlizam e se dão bem com ela. Além disso, não é como se a BMW te forçasse a ter força nas quatro rodas o tempo todo: dependendo do modo de direção escolhido (veremos mais sobre isso adiante), você poderá optar pela tração 100% traseira sempre que quiser.

Por outro lado, o BMW M5 F90, como é conhecido internamente, não terá câmbio manual e muito menos de dupla embreagem: agora, a transmissão será uma automática convencional. Ou quase isso.

Claro, um câmbio automático no M5 é algo preocupante do ponto de vista purista/entusiasta, mas na prática a ideia dá certo. Segundo a BMW, o câmbio automático foi escolhido por ser mais suave e mais eficiente que um câmbio de embreagem dupla, por exigir menos manutenção e também por ter um mais relações para manter o motor sempre em sua faixa de rotação adequada. Além disso, esse câmbio é usado nos BMW M235i de corrida que a marca oferece a equipes independentes. Como ela consegue fazer trocas tão rápidas? Porque em vez de um conversor de torque, ela usa um sistema de discos múltiplos de embreagem que faz o acoplamento ao menor

Além disso o sistema xDrive do novo M5 permite que toda a força do motor vá para o eixo traseiro  — por isso seu nome é M xDrive. A Car and Driver americana recebeu um briefing explicando como o sistema funciona.

Ao toque de um botão, toda a força do motor é mandada para o diferencial traseiro eletrônico, que foi retrabalhado com novos discos de embreagem que conseguem variar o comportamento do diferencial de completamente aberto para totalmente bloqueado. O sistema de tração nas quatro rodas emprega a mesma caixa de transferência da Magna que o Série 7 xDrive, embora os discos agora sejam de fibra de carbono em vez de molibdênio, para um controle mais eficiente da temperatura e mais durabilidade. A divisão M da BMW tem mais engenheiros trabalhando com softwares do que nunca, e é aí que fica a verdadeira mágica deste sistema. O módulo de controle, montado sob o carro, atrás do pneu dianteiro esquerdo, analisa o ângulo de esterçamento, a posição do corpo de borboleta, o torque em cada roda, a carga lateral e a aceleração. Então, ele determina o quanto de força aplicar no acoplamento viscoso central e no diferencial traseiro. Três ajustes tornam o comportamento do carro progressivamente mais animado: um modo de tração integral padrão, um modo de tração integral esportivo e um modo de tração traseira.

Basicamente, o sistema analisa a situação do carro em tempo real e distribui o torque entre os eixos de acordo. No entanto, a BMW fez questão de deixar a porcentagem maior da força para o eixo traseiro. Os modos de ajuste são uma forma de nortear esta proporção. Mas que efeito isto tem sobre o modo como o carro anda?

V8, biturbo, mais de 600 cv e tração nas quatro rodas: como anda o novo BMW M5? V8, biturbo, mais de 600 cv e tração nas quatro rodas: como anda o novo BMW M5?

De acordo com a publicação, o sistema de tração nas quatro rodas é “consistente, linear, e previsível”. O novo M5 é um carro bastante maleável, que é capaz de soltar a traseira com relativa facilidade se você deixar o controle de estabilidade no modo M Dynamic. E, no modo de tração completamente traseira, dá para “fazer powerslides como em um BMW M3 E90”.

Segundo a Motor Trend, esta maleabilidade é a grande diferença entre o M5 e o M550i. Mais até do que a diferença de potência – que deverá ficar acima dos 600 cv (a potência exata ainda não foi divulgada pela BMW). Falando nisso, o motor do novo M5é basicamente o mesmo S63 do M5 anterior, porém a maior potência foi obtida com uma pressão mais elevada no sistema de injeção de combustível, novos turbos e um escape mais leve e com menos restrições de fluxo.

O M550i não possui o diferencial ativo e nem o módulo de controle e, por isto, interfere mais no modo como o carro age. “No modo M Dynamic, quanto se cutuca o acelerador, a traseira escapa suavemente sem intervenção perceptível das babás eletrônicas – apenas um aumento na força para o eixo dianteiro a fim de deixar o carro um pouco mais neutro”.

V8, biturbo, mais de 600 cv e tração nas quatro rodas: como anda o novo BMW M5?

O britânicos da Autocar compartilham desta opinião e vão além: eles acreditam que este pode ser um dos melhores M5 de todos os tempos, especialmente na configuração 4WD Sport:

O fato de o carro ter dois eixos motrizes melhora a aderência e a estabilidade de forma progressiva, suave e inteligente, mas só depois que o seu nível de controle sobre a posição do carro na pista começou a se deteriorar. É como o melhor sistema de controle de estabilidade que um sedã esportivo pode ter.

É possível que um BMW M5 seja ainda melhor dinamicamente que seu equivalente de tração traseira? É muito cedo ainda para declarações como esta mas, com base nessas evidências, parece que podemos realmente dizer isto.

Isto não significa que os caras acharam o carro perfeito. Com um protótipo, ainda é difícil falar sobre acabamento e vida a bordo, mas o ronco do motor, sintetizado pelos alto-falantes, é algo que incomoda de verdade aos jornalistas. “Um modelo M deveria ser capaz de passar uma experiência sonora autêntica”, eles dizem.

V8, biturbo, mais de 600 cv e tração nas quatro rodas: como anda o novo BMW M5?

Fora isto, saberemos mais a respeito do novo BMW M5 nos próximos meses: ele deverá ser lançado na Europa no fim do segundo semestre de 2017 e nos outros mercados, a partir do segundo trimestre de 2018.

The post V8, biturbo, mais de 600 cv e tração nas quatro rodas: como anda o novo BMW M5? appeared first on FlatOut!.