A tendência atual da volta de consoles clássicos, que estão retornando com tudo. Fazendo a alegria de quem adora nostalgia.

A tecnologia dos consoles modernos impressiona cada vez mais a cada lançamento: gráficos super reais e uma jogabilidade que imita quase que com perfeição os movimentos humanos. Em alguns casos, chega até a ser assustador a semelhança dos jogos com a realidade. Com certeza, em algum momento, você também já fez aquela pergunta: onde vamos parar?

Leia também:

Demo do PES 2019 já tem data de lançamento para PS4, Xbox One e PC

Entretanto, alguns gamers não estão muito interessados em saber onde toda essa tecnologia poderá levar os jogos no futuro. Eles estão mais preocupados em manter e recuperar aquilo que existia no passado. Os anos 1980 e 1990 revolucionaram o panorama dos games. Principalmente com o lançamento de jogos e consoles que são considerados clássicos até hoje. Agora, eles estão retornando.

A tendência atual da volta de consoles clássicos

Se você é um desses jogadores, certamente ficará feliz com o lançamento que está para sair em outubro deste ano (inicialmente nos Estados Unidos e Canadá): o Commodore 64. Esse aparelho, que por muitos é conhecido como “o pai dos consoles”, está de volta, mas 50% menor do que a versão original. Ainda assim, ele mantém todas as suas cores e formato. Além de contar com mais de 60 jogos integrados na memória interna. O console ainda não tem previsão de lançamento no Brasil e o preço sugerido de venda nos EUA é de aproximadamente 100 dólares.

Foto Public Domain/CC0

Outra empresa que entrou na onda de relançar consoles clássicos foi a Nintendo. Em setembro do ano passado a empresa relançou uma versão clássica do Super Nintendo (Classic Edition). Contudo, não é só o console que é considerado um clássico, a empresa também é conhecida por ter lançado um dos melhores jogos dos anos 80, que popularizou um dos personagens mais icônicos da história dos games: Mario Bros. É claro que a empresa não iria deixá-lo de fora desse relançamento. O console já vem com 24 jogos instalados na memória. Super Mario World e Donkey Kong Country são alguns deles. No caso de Kong, vale lembrar que trata-se do game“repensado” na geração 16 bit, não aquele clássico dos arcades no qual Donkey é o vilão e Mario (apenas “Jumpman”, aqui) o herói. O console é vendido por aproximadamente 80 dólares nos EUA e salgados 800 reais no Brasil.

Mega Drive

Outro clássico que ganhou uma vida extra – com trocadilhos – foi o Mega Drive. O console foi um dos mais vendidos da sua época. Além disso, apresentou ao mundo um dos personagens mais carismáticos da indústria dos games, o Sonic, e ainda traz com ele o popular Alex Kidd. Para quem se lembra mais do Sonic, Alex Kidd foi a “tentativa original” da SEGA em competir com Mario.

O console mantém o design do original, mas com um toque de modernidade: o game vem com uma entrada MicroSD que permite ao player emular mídias de CD-ROM caso você enjoe dos 22 jogos embutidos na memória. O console vem acompanhado apenas de um controle e já está à venda no Brasil por aproximadamente 450 reais. Entretanto, caso queria algum controle adicional, o jogador deverá desembolsar mais R$ 99.

A tendência atual da volta de consoles clássicos, para quem adora nostalgia
Foto Evan-Amos/CC0

O que fica claro é que, independentemente se você for um fã da alta tecnologia que aprecia os gráficos e a jogabilidade dos jogos atuais, ou se prefere a simplicidade com um toque de inocência dos jogos das décadas passadas, em ambos os casos você encontrará um mercado vasto e cheio de opções. Isso só mostra que a indústria dos games está se reinventando cada vez mais. Contudo, sem perder a essência que a fez chegar até aqui.

Gostou da notícia?

Então, siga o nosso Twitter e curta a nossa página no Facebook para continuar acompanhando as melhores matérias sobre entretenimento e tecnologia em geral, diariamente nas suas redes sociais.

O post A tendência atual da volta de consoles clássicos, para quem adora nostalgia apareceu primeiro em Optclean – A Tecnologia ao Seu Alcance.

Deixe uma resposta