O australiano identificado como Brenton Tarrant, de 28 anos, autor do massacre em duas mesquitas na Nova Zelândia, compareceu neste sábado, 16, diante de um tribunal na cidade de Christchurch. O atentado deixou 49 mortos e 48 feridos um dia antes. Nesta primeira audiência, o atirador foi formalmente acusado do homicídio de apenas uma pessoa, que não teve sua identidade divulgada.

Algemado e descalço sob escolta de dois policiais, o atirador ficou em silêncio durante a audiência, mas olhou para fotógrafos e jornalistas autorizados a entrar no tribunal e, segundo o jornal “New Zealand Herald”, sorriu quando entrou na corte. O juiz Paul Kellar, designado para o caso, determinou que as imagens do assassino no tribunal fossem borradas. Uma nova audiência foi marcada para 5 de abril. Até lá, Tarrant ficará preso sem direito a fiança.

O ataque contra fieis muçulmanos nas mesquitas Al Noor e Linwood foi o mais devastador da história da Nova Zelândia. Segundo a primeira-ministra neozelandesa, Jacinda Ardern, tratou-se de um “ato de violência sem precedentes”, que a levará a propor mudanças na lei sobre posse e porte de armas de fogo.

Tarrant transmitiu parte do ataque ao vivo pelo Facebook e antes publicou na internet um manifesto intitulado “A Grande Substituição”. No documento de 74 páginas, o australiano mencionou o Brasil como exemplo da fraqueza de nações com diversidade racial, assim como os Estados Unidos e a África do Sul.

“O Brasil, com toda a sua diversidade, é completamente fraturado, como Nação, onde as pessoas não podem se dar bem, se separar, e se segregar sempre que possível”, escreveu o autodeclarado “supremacista branco”.

O manifesto foi publicado em uma plataforma virtual da chamada “dark web”, onde circulam informações e negócios ilegais, e em um perfil no Twitter. Tarrant, um personal trainner de 28 anos, se diz  “fascista etnonacionalista” e “homem branco comum”, afirma que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, é “um símbolo da identidade branca renovada” e alega ter recebido a “bênção” do terrorista de extrema direita Anders Breivik, que matou 77 pessoas na Noruega há oito anos.

(Com EFE)

(Mark BakerAP)
(Mark BakerAP)
(TV New ZealandAFP)
(Martin HunterSNPAReuters)
(Flynn FoleyAFP)
(Mark BakerAP)
(Twitter)
(Twitter)
(Twitter)
(Reprodução)
(AP)
(AP)

Deixe uma resposta