A Polícia Civil deteve um homem de 52 anos acusado de seduzir e ter relações sexuais com uma criança desde quando ela tinha 10 anos — hoje está com 12. O suspeito já vinha sendo investigado e, na tarde desta sexta-feira (15/3), a Justiça acatou o pedido de prisão preventiva. Segundo as denúncias, o pedófilo prometia casar e ter filhos com a menina.

Antes de ir para a cadeia pela perversão sexual contra a garota, policiais descobriram que ele já cumpria prisão domiciliar por estelionato, na QNM 21, em Ceilândia, onde reside com a mãe.

Conforme revelaram as apurações, o pedófilo teria conhecido a menina em 2017, após se interessar por um carro anunciado para venda pelo pai da vítima. Após uma distração dos parentes, o suspeito e a menina trocaram números de celulares e começaram a se falar por meio de mensagens. “A gente se apaixonou”, disse o pedófilo na delegacia.

Fotos nuas
Segundo o delegado-adjunto da 24ª DP (P Sul), Maurício Iacozzilli, após autorização judicial para buscas no endereço do suspeito, policiais encontraram várias mensagens de teor sexual no celular. O aparelho e o computador do agressor, que era solteiro e morava com a mãe, foram apreendidos e encaminhados para o Instituto de Criminalística (IC), onde serão periciados.

“Entre as mensagens, havia fotos e vídeos dos dois nus. A gente mandou o material para a perícia a fim de ver se conseguimos recuperar arquivos perdidos e descobrir se ele fez outras vítimas. O inquérito já foi encerrado e encaminhado para a Justiça, mas pode ser reaberto caso as investigações apontem outros abusos”, explica o delegado.

Segundo Iacozzilli, o homem chegou a se passar por um tio da criança e tentou buscá-la na escola, mas funcionários desconfiaram e não autorizaram que ela deixasse a instituição. “A criança chegou a fugir de casa para se encontrar com o suspeito e o defendeu em depoimento, pedindo aos agentes para libertá-lo. Eles chegaram a se encontrar e ter relações sexuais. Ele a seduziu. Elogiava e dizia que queria se casar e ter filhos com ela”, revela o delegado.

Deixe uma resposta