Até o primeiro semestre de 2018, a existência de 18 redes celulares que já foram implantadas com tecnologias LTE-Advanced (LTE-A), geralmente comercializada pelas siglas 4G+ ou 4,5G. Isto representa 47,4% das redes móveis existentes, ou seja, quase a metade delas. Os países que desenvolveram LTE-A são Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Equador, Peru e Uruguai. Por outro lado, Bolívia, Paraguai e Venezuela ainda não implantaram esta tecnologia e oferecem serviços sob LTE. As informções são da 5G Americas, entidade que representa fabricantes e operadoras móveis na região.

A tecnologia LTE-Advanced é uma evolução do padrão LTE (4G), definida pela primeira vez no release 10 da 3rd Generation Partnership Project (3GPP), que oferece maiores velocidades de conexão. De acordo com o 3GPP, a LTE-Advanced oferece velocidades pico de 3Gbps para download e 1,5Gbps para upload. Entre suas principais vantagens, oferece carrier aggregation, uso melhorado de técnicas multi-antena, e suporte para Nodos Relay, o que possibilita maiores taxas de transferência, melhor desempenho e eficiência no uso de recursos.

Além disso, a 5G Americas calcula que pouco menos da metade das redes celulares na América do Sul (44,7%) operam utilizando banda de espectro de 700 MHz, também chamada “dividendo digital”, utilizada por muitas operadoras na América Latina para oferecer carrier aggregation e alcançar dessa maneira velocidades de LTE-Advanced. (Com assessoria de imprensa)

O post Menos da metade das redes móveis da América do Sul são LTE-Advanced apareceu primeiro em TeleSíntese.

Deixe uma resposta