Um grupo de cerca de 50 militares da reserva das Forças Armadas faz um protesto nesta segunda-feira (14/1), em frente ao Ministério da Defesa, em Brasília, para pedir emprego ao presidente Jair Bolsonaro, que almoça no local. Vestidos de preto, eles seguram faixas com suas reivindicações. Em uma delas, pedem que Bolsonaro “ajude” seus soldados a serviço da pátria. Em gritos de guerra, entoam o lema do governo “Brasil acima de tudo, Deus acima de todos”.

Em outra faixa, destacam que a Lei nº 13.500, de 2017, garante a permanência nos quadros das Forças Armadas até 2020. “Cumpra-se a lei”, diz o cartaz. Também reclamam que cerca de 600 reservistas qualificados foram “descartados em plena crise na segurança pública” no ano passado, durante o governo do ex-presidente Michel Temer.

“Eles nos qualificaram, nos tornaram técnicos, e nos mandaram embora. Estamos nos oferecendo para trabalhar”, disse o tenente José Fernandes Uchôa, representante dos militares da reserva que ingressaram na Força Nacional.

Outra alegação, entoada nos gritos de guerra, é que o grupo estaria em risco e sem respaldo da União porque atuou na segurança dos estados, entre eles o Rio de Janeiro, que passaram por intervenção federal.

Deixe uma resposta