Quando vamos ao supermercado comprar ovos, não nos damos conta da crueldade envolvida em sua produção. Como se não bastasse a situação degradante das galinhas nas granjas, há um problema ainda maior: pintinhos machos são mortos aos bilhões, logo após nascer. É que, além de não colocar ovos, eles precisam de mais comida do que as fêmeas para crescer, e portanto não interessam economicamente aos criadores – que simplesmente jogam os pobres bichinhos em trituradores de carne ou em sacos, para que morram sufocados. Estima-se que 4 a 6 bilhões de pintinhos sejam mortos, a cada ano, dessa forma.  

Mas há uma possível solução: os ovos da marca Respeggt (trocadilho em inglês com as palavras “ovo” e “respeito”), que estão chegando aos supermercados da Alemanha. Eles são produzidos com uma técnica desenvolvida na Universidade de Leipzig, que é capaz de identificar se o embrião dentro do ovo é masculino ou feminino com 98,5% de precisão. A chave para fazer isso é medir o nível de um hormônio, que só está presente nos embriões femininos.

Uma agulha daria conta do recado, mas poderia contaminar o ovo (além de ser um processo lento). os alemães procuraram a empresa holandesa HatchTech, que criou uma máquina capaz de fazer o teste usando luz. Um feixe de laser faz um buraquinho de 0,3 mm na casca do ovo. Em seguida, a máquina suga uma microgota de fluido do ovo, e sela o orifício. Todo o processo ocorre em um segundo, sem contato físico. Por fim, a máquina testa a presença de hormônios nas amostras, e identifica quais ovos contêm embriões femininos e masculinos. 

Os ovos que contêm embriões machos são imediatamente separados e usados para outros fins, como ração animal. Ou seja: não é preciso esperar que o pintinho se desenvolva e nasça (o que leva 21 dias) para só então identificar seu sexo. Os ovos estão sendo comercializados em 223 mercados da rede alemã REWE, que tem 5.500 estabelecimentos na Alemanha. O pacote com meia dúzia de Respeggt custa 1,60 euro – 50% mais que os ovos comuns.

Deixe uma resposta