A Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) deflagrou, na manhã desta quarta-feira (5/12), a Operação Keycode, com o objetivo de desarticular uma quadrilha especializada em furto e receptação de caminhonetes de luxo.

As investigações da Divisão de Adulteração e Desmanche Ilícito de Veículos (Dirad), responsável pelo caso, apontaram que 32 Mitsubishi L200 Triton foram furtadas no DF em 2018, sendo 28 delas nas asas Norte e Sul, e apenas quatro em outras regiões administrativas. Os investigadores identificaram que apenas esse grupo criminoso furtaram 12 modelos L200.

A operação cumpre oito mandados de prisão preventiva, dois de prisão temporária e 13 de busca e apreensão nas casas dos suspeitos, situadas nas cidades de Sobradinho, Planaltina e Planaltina de Goiás (Entorno do DF). Parte das caminhonetes estava em um galpão no município goiano de Catalão, distante 330km de Brasília.

Depois de identificarem características comuns a todos os crimes praticados contra proprietários de um modelo específico de veículo e perceberem que a quadrilha atuava dentro de uma área geográfica determinada, os investigadores instauraram inquérito em coordenação especializada a fim de identificar, desarticular e prender o bando responsável pelos furtos.

 

Monitoramento
Conforme explicou a PCDF, a metodologia desenvolvida durante a apuração dos fatos consistiu no acompanhamento dos registros de furto em Brasília, bem como na obtenção das imagens desses crimes, o que possibilitou a identificação dos carros utilizados pelos ladrões.

As equipes da DRFV também fizeram campanas, abordagens e acompanhamento dos investigados e de seus familiares, além de filmagens e entrevistas.

Todos os membros da quadrilha são moradores de cidades localizadas na direção da Saída Norte e conhecidos da polícia. Um deles possui 18 passagens pelos crimes de furto e receptação de veículo. Outros sete integrantes também já tiveram problemas com a Justiça pelos mesmos crimes.

O grupo responderá por organização criminosa e furto qualificado. Somadas, as penas variam de 5 a 16 anos de prisão.

Modus operandi
De acordo com as diligências policiais, a quadrilha mantinha uma rotina de atuação para conseguir furtar as caminhonetes desejadas. Integrantes da organização criminosa costumavam seguir para o Plano Piloto e rodar até encontrarem os veículos preferidos.

 

Após localizarem os carros, os ladrões arrombavam as caminhonetes e, usando centrais (equipamento que facilita a ligação direta), com exceção das L200, conseguiam ligar o motor e fugir com os veículos.

“Após os furtos, deixavam os carros em quadras próximas, onde ficavam por até 48 horas esfriando, garantindo, assim, que não seriam rastreados. Então, eles voltavam e resgatavam os veículos”, explicou o delegado Bruno Ehndo.

Aguarde mais informações

Deixe uma resposta