A Kroton reportou queda de 7,1% no valor da provisão para créditos de liquidação duvidosa no ensino presencial durante o terceiro trimestre de 2018 na comparação com o mesmo período do ano passado. A provisão chegou a R$ 130,9 milhões, equivalente a 13,5% da receita líquida ante um patamar de 13,6% do mesmo período de 2017.

O segmento de ensino presencial vinha registrando aumentos nas provisões em função da maior oferta de parcelamento a estudantes desde a crise do Fies. Neste trimestre, no entanto, a Kroton destacou que a estabilidade no indicador de provisão como porcentual da receita é consequência da menor oferta do programa que parcela mensalidades para alunos que se matriculam tardiamente.

A companhia ressaltou que houve, no entanto, um reforço no índice de cobertura para inadimplência dos alunos que não possuem nenhum tipo de financiamento. Entre esses alunos, a companhia informa que houve piora nos indicadores de adimplência. A provisão nesse segmento chegou a 8% da receita, uma piora de 0,6 ponto porcentual na comparação com o mesmo período do ano anterior.

Já no ensino a distância, a PCLD recuou 2,3% na comparação anual, ficando em R$ 23,8 milhões no terceiro trimestre de 2018. O montante registrado entre julho e setembro deste ano equivale a 9,9% da receita líquida do segmento de ensino a distância, uma piora de 0,7 ponto porcentual na comparação anual.

A companhia afirmou que o EAD segue a mesma tendência observada no ensino presencial, de piora nos indicadores de adimplência dos alunos pagantes, ou seja, aqueles que não aderiram a nenhum programa de parcelamento.

Tíquete médio

A Kroton registrou no terceiro trimestre de 2018 queda no tíquete médio tanto nas modalidades de ensino presencial como EAD.

No ensino presencial, o tíquete para o período entre julho e setembro foi de R$ 855,71, recuo de 0,8% ante igual período do ano anterior. A companhia afirmou que o resultado reflete a mudança no perfil dos alunos na base, com os alunos que possuíam financiamento pelo Fies se formando e entrada de estudantes sem financiamento. Como alunos sem financiamento tipicamente têm descontos nas mensalidades, há uma queda no tíquete.

Já no ensino a distância, o tíquete recuou 3,1% na comparação anual, ficando em R$ 258,50. A companhia afirmou que o recuo reflete a maior participação de alunos entrantes na modalidade 100% online, que possui tíquete mais baixo, e maior competição enfrentada no segmento.

Guidance

Apesar da queda no lucro do terceiro trimestre de 2018, a Kroton afirmou em sua divulgação de resultados que já está “muito próxima” de atingir seu guidance para o ano de 2018. A companhia tem uma meta estabelecida com o mercado de atingir lucro ajustado de R$ 2,030 bilhões em 2018 e, nos primeiros nove meses do ano, o resultado foi R$ 1,541 bilhão.

No terceiro trimestre, a Kroton divulgou um lucro ajustado de R$ 440,4 milhões, um recuo de 16,9% ante o terceiro trimestre de 2017. O ajuste no lucro é feito pelas linhas de itens não recorrentes, amortização do intangível e efeito liquido de emissões das debêntures.

A companhia destacou em sua divulgação de resultados que o lucro do trimestre foi afetado por uma menor receita financeira no período, aumento dos níveis de depreciação e pelo fato de, no final do ano passado, a empresa ter registrado venda de ativos.

Quanto ao resultado financeiro, a Kroton registrou uma receita de R$ 5,4 milhões no terceiro trimestre de 2018, queda de 77,8% ante os R$ 24,6 milhões de receita do mesmo período do ano passado.

A companhia mencionou que houve o efeito do rendimento originado entre a captação dos recursos para a aquisição da Somos e o efetivo pagamento para os controladores. Houve ainda efeito de redução do caixa ex-captação da dívida, em razão da distribuição de dividendos e dos desembolsos realizados para a aquisição de ativos.

O post Provisão para inadimplência da Kroton cai 7,1% no ensino presencial no 3º tri apareceu primeiro em ISTOÉ DINHEIRO.

Deixe uma resposta