Pecadores, pecadores por todos os lados. Uma ignomínia ambulante, apostatas que não se tocam do quão nocivos são. É preciso tomar uma atitude! E um taxista assim pensou e este taxista assim procedeu. Ao levar mãe e filho para visitar o santuário do profeta Maomé em Medina, o taxista perguntou se eles eram xiitas. Eles eram. Como um servo de Allah, o Exaltado, o taxista quebrou uma garrafa e rasgou a garganta da criança. Ninguém o impediu. Um policial se deu conta tarde demais. O servo de Allah foi detido e preso, mas ele está consciencioso que fez o que sua convicção religiosa decidiu que tinha que ser feito: acabar com essa praga de gente que não é muçulmana de verdade.

Zakaria al-Jaber era uma criança de 6 anos, mas tinha um spério problema: era xiita. Ok, o problema não era bem ser xiita, era ser xiita estando num lugar errado. Vocês sabem, xiitas são aqueles que os sunitas acham que não são muçulmanos de verdade, e na Arábia Saudita a maioria é sunita. Já deu para perceber o prenúncio do desastre?

Xiitas e sunitas estão saindo na porrada há muitos anos, e não vão parar de se hostilizar tão cedo, se é que algum dia pararão, o que eu duvido. Organizações de Defesa dos Direitos Humanos condenaram as autoridades sauditas por não tomarem nenhuma atitude sobre o brutal assassinato de Zakaria; só alguém bem estupido fica achando que eles farão algo.

A The Muslim Vibe – que se diz uma plataforma de mídia de base com o objetivo de inspirar, informar e capacitar os muçulmanos ocidentais e, ainda segundo eles, se tornou uma das principais vozes dos muçulmanos no Ocidente – publicou imagens do funeral do menino assassinado em seu site, porque tragédia vende e todo mundo adora um apelão. Segundo a TMV, ainda que sem corroboração de outras fontes, as autoridades na Arábia Saudita disseram que o taxista tem problemas de saúde mental. Se por “doença mental” eles quiseram dizer “religião”, eu concordo.

Ninguém interveio, ninguém fez nada. O Bystander Effect foi muito maior. O criminoso foi preso, mas isso não trará Zakaria de volta. Será punido o criminoso? Talvez. Isso fará com que o fanatismo religioso acabe? Não, pois eles se veem como mártires em busca de uma causa, e se eles pensam assim para com gente que reza pro mesmo deus deles, embora de partido diferente, não espere que você, não-muçulmano seja tratado melhor.

E não se esqueça: Brasil é o pior lugar para ser mulher, gay etc.Porque, de Zakaria, a única coisa que ficou foi o chão ensanguentado por um seguidor da Religião da Paz, cujo deus indiferente se preocupa mais se uma mulher anda com um pedaço de pano na cabeça do que uma criança sendo decapitada


Fonte: The Sun

Deixe uma resposta