Falar sobre sexualidade pode ser um tabu para algumas pessoas, em especial o público feminino. Mas desde dezembro de 2018, as mulheres que moram em Brasília ganharam um espaço para discutir assuntos ligados a sexo e questões femininas: o grupo do Facebook Lind’s.

Foi depois de uma polêmica carregada de exposição que a promotora de eventos Lindi Silva, 39 anos, decidiu criar o espaço virtual. Ao fazer uma postagem com conteúdo sexual em um grupo do Facebook, ela recebeu críticas das milhares de integrantes. “Fiz uma piada sobre o paradeiro da calcinha (como forma de propor sexo ao marido) e vieram com tudo para cima de mim”, lembra.

“Via algumas mulheres falando sobre sexo e sempre que tocavam no assunto outras participantes brigavam e criticavam. Não podia perguntar ou comentar nada relacionado a sexo. Quando fiz a postagem sobre, falaram que não era lugar para aquilo, que o grupo era “de família”. Então, decidi criar um espaço onde as mulheres podem falar sobre sexualidade sem serem julgadas”, explica Lindi.

Segundo a idealizadora, as publicações são divertidas. “Elas não postam nu nem vídeos”, aponta. Depois de experiências negativas com a política contra pornografia do Facebook, Lindi viu que seria necessário uma abordagem mais light sobre o assunto e baniu os clipes pornôs. A página é fechada e conta com 2.490 usuárias.

Entre as discussões mais comuns, estão a falta de líbido, apetite sexual, posições sexuais, masturbação, maridos ausentes, amantes, corpo pós-gravidez e autoestima.

Reprodução/FacebookFacebook/ReproduçãoReprodução/Facebook

Toinha e maternidade
Mãe de uma menina de 14 anos, Lindi analisa que muitas mulheres discutem questões relacionadas à sexualidade depois de serem mães. “Elas se sentem à vontade nesse grupo. Discutimos sobre como depois da maternidade a prioridade acaba sendo o filho e esquecemos do parceiro. O diferencial é que as mulheres podem falar abertamente de sexo, fetiches e fantasias sem tabu”, defende.

Lindi ainda revela que as mesmas mulheres que a criticaram antes, hoje fazem parte do Lind’s e comentam as postagens. “O grupo funciona como uma forma de libertação. As integrantes se sentem seguras para se expor. Tem mulher que acredita que depois da gravidez perde o direito a tudo, inclusive a sexo, mas não é assim”, defende.

Para as postagens com conteúdos mais picantes sem que a identificação da autora seja revelada, foi criado um personagem secreto: a Toinha. A ideia veio da própria Lindi, que sempre viu postagens anônimas em outros grupos. As integrantes gostaram da ideia e adotaram a Toinha como a “amiga safadinha”.

A autônoma Gideane Pacheco é uma das mães que participa do grupo. “Eu me identifico porque é possível conversar sobre tudo, sem julgamentos. Gosto bastante porque sou muito tímida, então só discutia esses assuntos com meu médico. Lá, todo mundo interage brincando, sem pressão e funciona como uma rede de apoio feminino”, aponta.

Ela afirma que por meio da página, conheceu produtos de sex shops e aprendeu mais sobre sexualidade. “Como não tem homens, as mulheres se soltam mais, além da Toinha que ajuda as mais reservadas”.

 

A administradora Dayse Sidelis também faz parte do Lind’s. “Vejo como um grupo voltado para o empoderamento feminino e as mulheres acabam trocando experiências e informações”, opina.

Mãe de três, ela afirma que a maternidade trouxe desafios como mudanças no corpo e na rotina. “É importante ter um ambiente assim porque infelizmente vivemos ainda em uma sociedade muito machista, onde a mulher não tem seu espaço para poder falar sobre tudo e se expressar.”, analisa.

A fim de estreitar laços e incentivar as mães empreendedoras, Lindi organizou um evento comercial que ocorrerá neste sábado (11/05/2019), a partir das 10h, no espaço Recanto Verde, em Águas Claras. Com entrada gratuita, a Expo Lind’s terá opções de lingeries e itens de sex shop à venda.

Deixe uma resposta