Olhos são uma coisa fascinante. Depois de 3 bilhões de evolução biológica, temos uma maravilha que nos faz enxergar, salvo se for aquele pontinho cego safado, que é onde o nervo óptico toca a retina e lá fica incapaz de receber luz que foi refletida pelo objeto, sem poder criar a imagem naquele ponto. Também tem o fato do cristalino se embaçar, causando cataratas. Também tem aquele lance de ficar com a visão como se estivesse por um tudo, miopia, hipermetropia, astigmatismo, vista cansada etc. Mas é tudo um projeto inteligente.

No início, os olhos não eram tão divinamente planejados assim e alguns animais desenvolveram olhos múltiplos, de forma que captassem mais luz e imagens, sendo tudo montado no cérebro. Mas com os primeiros olhos compostos foram formados?

A drª. Brigitte Schoenemann é uma pesquisadora de Colônia. Não aqueles pseudoperfumes baratos comprados em camelô. Ela é professora da Faculdade de Matemática e Ciências Naturais da Universidade de Colônia. A especialidade dela é coisa velha, bem velha. Mais velha que yo momma. Ela curte tanto uma velharia que seu site pessoal ainda está nos moldes da década de 90 (antes de Cristo)

Tia Brigitte não-a-Bardot e seus colaboradores pesquisam de onde vem esses bichos zoiúdos. Eles descobriram que os olhos compostos dos artrópodes de hoje ainda são construídos da mesma maneira que eles estavam em seus antepassados ??há 500 milhões de anos, já que a Natureza segue o bom sistema “se funciona, deixa quieto”. A base de estudo deles são os primeiros artrópodes em bom estado de fossilização: trilobitas. Eu queria criar trilobitas!

O fóssil de trilobita da espécie Schmidtiellus reetae estava excepcionalmente bem preservado, apesar de estar na adolescência de fósseis: tem mais de meio bilhão de anos. A importância deste fóssil é que ele mostra a estrutura celular de um olho composto; mas não é só isso. Dá para observar as estruturas e a forma como este olho composto foi construído, seu funcionamento e como ele difere dos olhos compostos contemporâneos.

Trilobitas e os segredos dos seus olhos
Clica que cresce.

Os resultados mostram que os olhos compostos modernos funcionam de maneira semelhante às de meio bilhão de anos atrás. Evolução vai selecionando capacidades que facilitem um ser vivo a continuar existindo. Se o olho estava funcionando bem, não atrapalhando o ser vivo de viver e se reproduzir, CLARO, esse padrão continuará. Por isso, ainda temos esses olhos tão ruins, que originalmente evoluíram para enxergar debaixo d’água, com vários problemas e defeitos inerentes, como eu mencionei antes.

Olhos compostos continuaram sendo olhos compostos, e os que passaram por seleções de forma a priorizar visão binocular, continua com as mesmas estruturas de d’antanho, mas sendo apenas um fazendo o trabalho de muitos. Os que eram múltiplos continuaram sendo múltiplo.

Há muito mais para ser dito sobre esta pesquisa, mas por que eu faria isso se ela está abertinha esperando por você na PNAS?