A conta oficial do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no Twitter postou, neste sábado (16/3), uma mensagem na qual ele acusa o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, de ser “cúmplice de um governo de milicianos”.

Na postagem, Lula fala que “as máscaras estão caindo”, ao se referir ao governo de Jair Bolsonaro (PSL) e ao ministro, ex-juiz e ex-coordenador da Lava Jato, que o condenou à prisão no processo que apura acusações referentes ao apartamento no Guarujá, no litoral de São Paulo.

De acordo com o ex-presidente, Moro e o procurador da Lava Jato Deltan Dallagnol irão para a “lata de lixo da história”.

“Sérgio Moro é cúmplice de um governo de milicianos. Assim como Dallagnol irá pra lata do lixo da história. As máscaras estão caindo”, diz a postagem.

O Metrópoles entrou em contato com a assessoria do ministro Sério Moro, no entanto, ainda não obteve resposta.

Lula está preso desde o dia 7 de abril de 2018 na carceragem da Polícia Federal, em Curitiba. Suas contas nas redes sociais são coordenadoras pelo Instituto Lula.

Neste sábado, a campanha “Lula Livre”, que pede a sua liberdade, inaugurou uma nova fase, reunindo cerca de 1.500 pessoas no “Encontro Nacional Lula Livre” no Sindicato dos Metroviários, em São Paulo.

Na reformulação, petistas e movimentos de esquerda pretendem adotar uma tática mais incisiva, com o objetivo de demonstrar que a Lava Jato não conseguiu comprovar as acusações contra o Lula. As suspeitas em relação à família do atual presidente e a ida de Moro para o cargo de ministro são argumentos desta nova fase da campanha.

A tentativa, por parte de procuradores de Curitiba, de se formar uma entidade privada para receber recursos recuperados da Petrobras também será um ponto a ser explorado pela campanha.

Após o encontro deste sábado, a campanha pretende se espalhar pelo país por meio de comitês a serem criados nos estados e municípios com o objetivo de pressionar o Judiciário a revisar a prisão.

A campanha é coordenada por uma comissão executiva de 29 membros e conta com sete pessoas para tocar as ações. O grupo reúne integrantes do MST, MTST, CUT, UNE, Frente Brasil Popular e Frente Povo Sem Medo, além de dirigentes do PT, PSol, PCdoB e PCO.

Condenação
Lula foi condenado a 12 anos e um mês de prisão por lavagem de dinheiro e corrupção passiva no caso do triplex do Guarujá. Em fevereiro, o ex-presidente obteve nova condenação a 12 anos e 11 meses de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro no processo sobre o sítio em Atibaia (SP).

Somando suas duas condenações e considerando sua idade, 73 anos, ele poderia ir para o semiaberto após, no mínimo, quatro anos de prisão. Há recursos do petista para serem apreciados ainda pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ) e dois habeas corpus pendentes de julgamento no Supremo Tribunal Federal (STF). Em 10 de abril, serão julgadas as ações que discutem a prisão
em segunda instância e podem beneficiá-lo.

Deixe uma resposta